#2 Novatas e o preconceito – Cláudia

 

Claudia bath tatuadora 2 capa

Com alma de desenhista, Claudia foi a profissional responsável pela nova identidade visual do portal Wonder Girls. Sempre envolvida na arte do desenho, é formada em Educação Artística pela Faculdade Mozarteum (SP) e é proprietária do Inkuts Tatoo Art desde 2010.

 

Sempre preocupada com a qualidade e bem estar dos clientes, coloca a biossegurança sempre em primeiro lugar, é certificada como Perfuradora Corporal, participando de Workshop de Biossegurança, Controle de Infecções e Tatuagem Artística Básica (instrumentos e insumos) e Tatuagem Artística Prática, sendo os dois primeiros emitidos e reconhecidos pelo Sindicato dos Tatuadores e Body Piercings de São Paulo.

 

No auge dos seus 41 anos, admira a arte desde criança, “sempre considerei a tatuagem também como forma artística, porém com o adicional da uma carga de rebeldia, contestação (naquela época – 1900 e guaraná de rolha kkk) e expressão legítimas o que me fascinava ainda mais”, lembra a tatuadora.

 

Apaixonada pelo estilo Lettering, passeia pelos estilos de forma livre. “Gosto do Preto sombreado (Black and Grey), Neo Traditional e oriental” destaca. Claudia foi aquela garota tímida na escola que passava horas dentro do quarto externando seus sentimentos por meio do desenho. Aquela criança que nasce com o ‘dom’, sabe?! Pois bem, mesmo não negando sua aptidão, demorou muito para iniciar profissionalmente, em específico na tatuagem, pois, como sabemos, a sociedade ainda é preconceituosa e viver de tatuagem ainda é uma dificuldade no Brasil. “Ingressei na tatuagem bem mais tarde que a maioria das pessoas, mas tudo tem seu tempo (sempre costumo dizer isso) e marcou uma fase importantíssima da minha vida em que eu pude olhar novamente para dentro de mim e me expressar” confessa Claudia.

 

Mas quando questionada sobre o preconceito por ser mulher, o ar lúdico do desenho dá voz para algo que é tão real e que precisa ser externado. “O preconceito é real, acontece muito de clientes que chegam ao meu estúdio querendo falar com ‘O tatuadOr’, ou duvidam que fui eu quem fez as tatuagens que estão no meu portfólio. Pior do que falar é perceber o preconceito velado, aquele que a pessoa não fala, mas expressa. Somos criadas numa sociedade em que a mulher não tem as mesmas oportunidades e reconhecimento em comparação aos homens. Mas acredito que uma apoiando a outra, nos aperfeiçoando e lutando juntas podemos um dia ter este respeito pelo ‘indivíduo’, independente da sua classificação” acredita Claudia.

 

Quando falamos sobre críticas, ela é direta: “existem diversas formas de abordar um assunto. Com a crítica é a mesma coisa, acho importante receber críticas, desde que elas sejam feitas de uma forma respeitosa, mostrando alternativas e pontos de vista. Como se fosse um professor explicando um ponto do exercício que o aluno não compreendeu muito bem. Se não tiver tato, ou não tiver uma base legal do que criticar é melhor ficar em silêncio”.

 

E para quem quer iniciar na arte de tatuagem ou que acredita nesse tal ‘dom’ que ela tem, Claudia garante: “acredito que o dom agiliza bastante o resultado, mas tendo empenho, dedicando tempo ao estudo, tanto do desenho, quanto das técnicas de tatuagem e força de vontade a pessoa pode se tornar um ótimo profissional”.

 

Respira, inspira, não pira! Buscar inspirações é sempre uma forma de poder traçar o seu caminho pelos seus próprios pés, por isso, Claudia, tem uma gama de inspirações bem vasta, “desde fotos, arte, arquitetura, entre muitas outras. Sigo, observo, estudo o trabalho de tatuadores e leio blogs e publicações do gênero. Estou sempre me atualizando e estudando novas técnicas afim de aprimorar minha habilidade artística e procuro me atualizar com as melhores práticas vigentes. A tatuagem é meu estilo de vida. Sempre tive contato com outras formas de expressão artística como a pintura, mas foi na tatuagem que eu encontrei meu caminho de manifestação artística. Me inspiro muito em uma artista nômade que eu já acompanhava o trabalho e que conheci pessoalmente na Tattoo Experience 2016 que é a Scarlath Louyse . Ela desenvolve um trabalho autoral num estilo único (sem rótulos) e bem profundo. Além disso tem um espírito livre, é uma pessoa incrível com um coração imenso que se importa com as pessoas. Admiro no superlativo!!!”, finaliza Claudia Bath.

 

 

 

 

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Jornalista, Pós graduada em Comunicação Empresarial e Institucional, Pós graduada em Jornalismo Digital, Pós graduação em Jornalismo Contemporâneo e Mestre em Comunicação. Diretora da Projeta Comunicação Integrada. Foi editora chefe em uma Agência de Comunicação, responsável pelo conteúdo de jornais internos e de e-mail marketing. Foi professora universitária do Centro Universitário Nove de Julho (UNINOVE). Acumula mais de 14 anos de experiência em assessoria de comunicação. É responsável pelo site Arrasa, gata!, um portal de beleza e é apresentadora do Programa Estressadas, um programa de comportamento feminino.

Samantha Feehily

Jornalista, Pós graduada em Comunicação Empresarial e Institucional, Pós graduada em Jornalismo Digital, Pós graduação em Jornalismo Contemporâneo e Mestre em Comunicação. Diretora da Projeta Comunicação Integrada. Foi editora chefe em uma Agência de Comunicação, responsável pelo conteúdo de jornais internos e de e-mail marketing. Foi professora universitária do Centro Universitário Nove de Julho (UNINOVE). Acumula mais de 14 anos de experiência em assessoria de comunicação. É responsável pelo site Arrasa, gata!, um portal de beleza e é apresentadora do Programa Estressadas, um programa de comportamento feminino.