#1 Novatas e o preconceito – Mariana Fiore

 

Falar de tatuagem e preconceito é quase que chover no molhado… #todossofrem … mas não podemos deixar de tocar nesse assunto tão delicado, nossa ideia é sempre debater para quebrar paradigmas e destruir essa barreira tão grande ainda.

 

O mercado de trabalho de tatuagem parece um campo lindo e repleto de espaços para nascerem novas flores e frutos. Engano puro! A poesia acaba no momento em que você se assume profissional e se depara com preconceitos e dificuldades por todos os lados.

 

Nem vamos abordar o tema preconceito com a mulher tatuadora, afinal, sabemos que era uma profissão considerada masculina, mas falaremos sobre o preconceito no início da carreira da mulher tatuadora.

 

E para darmos start à coluna, vamos entrevistar a tatuadora de 24 anos, Mariana Fiore, que começou a tatuar profissionalmente desde Agosto de 2015.

 

Ter a arte como estilo de vida não é fácil para ninguém, e sabemos que, muitas vezes, desenhar é um refúgio e um resgate pra muita gente. A arte mudou a vida de muita gente e não foi diferente com a Mariana, “a arte salvou a minha vida, foi o trampolim no fundo do poço” admite.

Mariana Fiore- tatuadora

Sabemos que a tatuagem é uma forma de expressão e para quem tem contato com a arte de desenhar desde pequena, isso se torna quase que inevitável. Mariana diz que desenhava desde pequena e quando voltou a ter contato com estúdios de tatuagem, resolveu arriscar.

“Tudo na vida é treino, tem que gostar muito do que faz, se empenhar em passar horas desenhando e aperfeiçoar suas técnicas dia a dia”, destaca Mariana, já dando dicas para quem quer se arriscar no mundo de tatuagem.

 

Vale lembrar que como tudo nessa vida, não é só flores, muito pelo contrário, as dificuldades do dia a dia ficam ainda maiores quando as críticas (sempre construtivas, certo? ERRADO!!!) são de profissionais com mais bagagem e tempo na estrada. Vamos deixar claro uma coisa importante sobre críticas: Nem todas as críticas são construtivas! E uma dica valiosa é: Só dê a sua opinião se lhe for perguntada e ainda assim, sinta a vibe, não fale algo para deixar a pessoa infeliz ou triste… Nesse mundo precisamos de incentivadores de pessoas e não de pau no cu! #ficaadica Pense se a crítica é, de fato, necessária. Pondere muito como vai falar e busque não só apontar um erro, como questioná-lo e entender o motivo. Feito isso, seja o mais gentil e profissional que puder e se coloque no lugar da outra pessoa. Mostre o que foi feito de errado e, sempre que possível, dê sugestões do que pode ser feito. Dê também a oportunidade da pessoa falar, se retratar ou de também sugerir o que pode ser melhorado. “Uso de impulso para me superar cada vez mais. Crítica é bom quando é solicitada hahahahaha. Acho foda quem critica só porque se acha superior” admite Mariana.

 

O futuro?? Ahhh Mariana quer dominar o mundo, “quero que o meu trabalho continue tocando o coração das pessoas, recuperando a autoestima delas e que elas se sintam tão feliz como eu. A tatuagem é uma arte espiritual, é troca de energia, sentimento, amor e confiança, finaliza a tatuadora.

 

 

 

Salvar

Jornalista, Pós graduada em Comunicação Empresarial e Institucional, Pós graduada em Jornalismo Digital, Pós graduação em Jornalismo Contemporâneo e Mestre em Comunicação. Diretora da Projeta Comunicação Integrada. Foi editora chefe em uma Agência de Comunicação, responsável pelo conteúdo de jornais internos e de e-mail marketing. Foi professora universitária do Centro Universitário Nove de Julho (UNINOVE). Acumula mais de 14 anos de experiência em assessoria de comunicação. É responsável pelo site Arrasa, gata!, um portal de beleza e é apresentadora do Programa Estressadas, um programa de comportamento feminino.

Samantha Feehily

Jornalista, Pós graduada em Comunicação Empresarial e Institucional, Pós graduada em Jornalismo Digital, Pós graduação em Jornalismo Contemporâneo e Mestre em Comunicação. Diretora da Projeta Comunicação Integrada. Foi editora chefe em uma Agência de Comunicação, responsável pelo conteúdo de jornais internos e de e-mail marketing. Foi professora universitária do Centro Universitário Nove de Julho (UNINOVE). Acumula mais de 14 anos de experiência em assessoria de comunicação. É responsável pelo site Arrasa, gata!, um portal de beleza e é apresentadora do Programa Estressadas, um programa de comportamento feminino.