Entrevista com o tatuador Eduardo Santos, o Du Tattoo

Nome: Eduardo Santos
Idade:  31 anos
Local atual: Taubaté-SP
Estúdio:  Du Tattoo Art’s
Tempo de atuação:  10 anos
 

O Portal Wonder Girls entrevistou o tatuador Eduardo Santos, conhecido como Du, dono do estúdio Du Tattoo Art’s na cidade de Taubaté, próximo a capital São Paulo.

 

Neste bate papo muito interessante, Du contou sua trajetória, experiências e planos realizados nestes quase 11 anos que atua como tatuador.

 

Confira a entrevista com ele:

Aquelas perguntas clássicas… Como e quando foi que você se interessou pela tatuagem? 

Sempre gostei de desenhos e artes em geral, meu primeiro contato com a tatuagem foi aos 14 anos, achei sensacional o lance de passar uma arte na pele, a partir daí comecei a pesquisar mais e saber como funciona.

 

  • Você fez cursos de desenho / tatuagem ou foi aprendiz de outro artista? Logo já descobriu que tinha talento para ser tatuador?

Fiz curso de desenho, na época conheci alguns caras no meio da tatuagem e fui tirando minhas dúvidas, pesquisando técnicas… E fui rabiscando os amigos para ir me aperfeiçoando.

 

Como e quando foi montar seu próprio estúdio? Conte suas experiências iniciais, dificuldades encontradas e superações.

Montei meu estúdio em dezembro de 2006, tive ajuda do meu pai, aliás um cara muito foda que sempre me apoiou, e com a ajuda de alguns amigos também, que levo até hoje no coração.

No começo acho que pra todos é muito difícil, você não tem nome nenhum no mercado, ninguém conhece seu trabalho.  A maior dificuldade acho que ate hoje, é manter seu nome e fazer um trabalho bacana para agradar o público.

 

Você já sofreu preconceito pelas tatuagens que possui ou por ser tatuador? 

No começo da carreira sim, um pouco, eu evitava alguns lugares como shoppings, por exemplo. Porque as pessoas me olhavam diferente, “aquele olhar que te culpa por algo” sabe? Como se ser um tatuador te tornasse vagabundo ou um bandido. Mas hoje em dia é mais tranquilo, alguns já tem a visão de que você e um profissional do ramo.

 Quais suas inspirações e ícones da tatuagem?

Sempre acompanho os trabalhos do Nikko Hurtado, Mauro Landin, Meggan, Mauricio Teodoro, Mordenti, Guy Aitchison, entre outros. São alguns que admiro e acho os trabalhos bem fodas, sempre acompanho as matérias, e tento tirar alguma coisa tanto sobre tattoo, ou até pra vida mesmo.

 Qual estilo de tatuagem você mais gosta de fazer, ou mais se identifica? E como chegou nesse estilo?

Sobre o estilo, o meu é tatuar, rs. Não me identifico com um “estilo”, gosto muito de coisas que eu possa criar ou que me desafiam na arte. Tatuo quase todos os estilos, tanto faço uma tatuagem simples ou uma complexa, gosto de montar, criar e agradar o cliente. Sobre tudo ficar satisfeito com meu trabalho.

 Além de talento, local higienizado, qual seria um diferencial para conquistar os clientes?

Eu pesquisava muito sobre a carência que esse mercado tem, e percebi que muitos profissionais não tem comprometimento com horário para tatuar, por exemplo, você chega as 14h pra tatuar mas só começa as 19h. Outra coisa o atendimento pessoal, acho que faltava um atendimento bom. Costumo ser pontual com meus clientes, o máximo de “espera” é a preparação do desenho. E o atendimento também, tento manter algo diferenciado, pois a educação é a chave do negócio.

 Como é o reconhecimento da profissão de tatuador no Brasil? E na sua cidade?

Hoje em dia é muito bom, está bastante em alta, apesar de eu morar em uma cidade do interior que população é meio cabeça fechada. Mas percebo que cada ano aumenta mais a procura, isso é realmente muito bom.

 

  • Como você acha que os eventos de tatuagem agregam na cena? Você já participou de eventos e convenções?

Acho muito bacana, é uma maneira de conhecer outros artistas, adquirir técnicas novas, materiais novos, fora o espetáculo para o público. E conseguimos passar um pouco sobre nosso trabalho, que cresce cada vez mais, e assim deixamos as pessoas mais a vontade nesse meio.

 

Você acredita que exista diferença entre a tatuagem/tatuadores no Brasil e no exterior? Qual seria essa diferença?

Acredito que não, tanto lá fora quanto aqui no Brasil existem profissionais excelentes. A única coisa que acho, é que o acesso a alguns materiais lá fora e mais fácil.

 Qual foi a tatuagem mais complexa que você já fez? 

Há alguns anos atrás, peguei um dragão medieval que pra mim foi uma experiência diferente, deu bastante trabalho, mas no final consegui chegar num resultado muito bom e agradar o cliente.

 

  • O que é mais gratificante nessa profissão?

O reconhecimento do meu trabalho, e o melhor de tudo é fazer com que o cliente saia satisfeito e feliz com sua arte na pele.

 

Quais são as recomendações para aqueles que querem fazer uma tatuagem? E como saber se o local onde se faz tatuagem é seguro?

Primeiro sempre pesquisar sobre o trabalho do profissional, ou indicações, conhecer o estabelecimento, não ter vergonha de perguntar sobre quais materiais ele usa como ele trabalha, sobre higiene, esterilização. Pois hoje em dia vejo muitas pessoas somente indo pelo preço, porque “fulano” cobra mais barato, e não se preocupam com higienização, assepsia em geral, que pode até mesmo ser prejudicial a saúde.

 Para encerrar, gostaria de deixar alguma mensagem para os leitores do portal e admiradores do seu trabalho?

Queria agradecer à todos que me apoiam e sempre estiveram do meu lado, amigos, clientes, família, sem eles acho que nem estaria onde estou profissionalmente e pessoalmente também. Durante esses 10 anos na profissão, consegui evoluir e crescer como pessoa, e ainda continuo estudando e aprendendo com todos que já passaram aqui. Obrigado. E viva a Arte!

 

Para conhecer mais o trabalho dele, acesse:
Facebook: Dutattoo Santos

Fanpage: https://www.facebook.com/DuTattooArts/

Instagram: @dutattooarts

 

Cremo é Fundador do Portal Wonder Girls Tattoo e do Portal @CULTURAEMPESO. Formado em Redes para Computadores, é fotográfo e desenvolve websites. Página oficial no facebook: www.facebook.com/wondergirlstattoo Instagram: @wondergirlstattoo Perfil: fb.facebook.culturaempesobr

Compartilhe este post